Pró-Saúde

  • Aumentar tamanho da fonte
  • Tamanho da fonte padrão
  • Diminuir tamanho da fonte
Reference Details
Alves, M. G., Chor, D., Faerstein, E., Werneck, G. L. and Lopes, C. S. (2009), "Estresse no trabalho e hipertensão arterial em mulheres no Estudo Pró-Saúde.", Rev Saude Publica, 43, 5: 893-6.

Abstract:
Com o objetivo de analisar a associação entre estresse no trabalho e hipertensão arterial na população feminina, foi realizado estudo transversal com 1.819 mulheres participantes do Estudo Pró-Saúde no Rio de Janeiro, RJ, entre 1999 e 2001. Foi utilizada a versão brasileira da escala reduzida de estresse no trabalho (modelo demanda-controle). A prevalência global de hipertensão arterial aferida (>140/90 mmHg e/ou uso de medicação anti-hipertensiva) foi de 24%. Comparadas com participantes com trabalho classificado como de baixa exigência, as razões ajustadas de prevalências de hipertensão arterial de mulheres em trabalhos de alta exigência, passivos e ativos, foram, respectivamente, de 0,93 (IC 95%: 0,72;1,20), 1,06 (IC 95%: 0,86;1,32) e 1,14 (IC 95%: 0,88;1,47). Sugere-se a realização de análises longitudinais para elucidar o papel dessas características psicossociais do ambiente de trabalho na determinação da hipertensão arterial.

Keywords:
Adult Brazil/epidemiology Burnout, Professional Employment/*psychology Female Humans Hypertension/epidemiology/etiology/*psychology Middle Aged Occupational Diseases/epidemiology/*etiology Stress, Psychological/*complications

Notes:
Alves, Marcia Guimaraes de Mello Chor, Dora Faerstein, Eduardo Werneck, Guilherme L Lopes, Claudia S Research Support, Non-U.S. Gov't Brazil Revista de saude publica Rev Saude Publica. 2009 Oct;43(5):893-6.